Trabalhadores derretem nos setores e direção da ECT assiste refrescada por ar condicionado

Notícia publicada dia 28/12/2016

Tamanho da fonte:

A falta de estrutura nos setores de trabalho e a importância de implantar imediatamente a entrega matutina ficam ainda mais evidentes quando o calorão ataca

interna_sintect_sp_entrega_matutinja_28_12_16

Na semana do Natal o calor bateu 37º na sombra. Imagine a situação num setor sem forro, ventilação e circulação de ar adequados, sem ar condicionado e climatização. A sensação é de estar num forno. É horrível!!!
Os trabalhadores suam litros de suor e desidratam. A pressão sanguínea inevitavelmente cai devido à dilatação das veias e artérias provocada pelo calor. Todo mundo passa mal, trabalhar fica um sacrifício, há os que desmaiam e precisam ser hospitalizados.

Isso acontecendo ao longo dos anos deixa sequelas inevitáveis no sistema cardiovascular dos trabalhadores. Além do sufoco, do mal-estar e do sofrimento diários, a saúde vai embora.

Falta de estrutura

E tudo isso ocorre porque a empresa não investe na climatização dos setores. ACs, CDDs, CTCs, CEEs, CTEs e CTOs todo tipo de unidade de trabalho sofrem com instalações inadequadas e os reflexos disso, como o calor excessivo.

Há anos o Sindicato exige que as unidades tenham a estrutura adequada em tamanho, ventilação e refrigeração, mas a direção da ECT faz de conta que não escuta, não investe e não resolve o problema.

O Sindicato já apresentou denúncias na Justiça e no Ministério Público do Trabalho. Há inclusive casos de condenação da ECT, ocorridos após constatação de excesso de calor pelo Fiscal do Trabalho. Quando há condenação, é dado prazo para a empresa resolver a situação. Mas mesmo assim ela enrola. Prefere gastar dinheiro com advogados para adiar a decisão da justiça do que investir no bem-estar do trabalhador.

Entrega matutina ajuda a resolver

A ECT também resiste e demora a implantar a entrega matutina. É evidente que ir para as ruas na parte da manhã, quando a temperatura é mais amena, não resolve o problema, mas alivia muito.
Só agora, depois de anos de negociações e de insistência do Sindicato, foi assinado acordo para suspender o DDA, o sistema de distribuição/exploração que a ECT inventou. Qualquer implantação tem de ser combinado com a entrega matutina e negociada com os trabalhadores e o Sindicato.

Mas ainda é insuficiente. A entrega matutina tem que ser universal em todo o estado de São Paulo, e também nos demais que são tão quentes quanto, ou até mais que o nosso.

O ideal para preservar a saúde do trabalhador é a entrega matutina e o setor climatizado. Só assim os ecetistas terão condições adequadas para executar o trabalho gerado nessa empresa.

Reestruturação errada

Além de não fazer o que é preciso para garantir condições de trabalho e preservar a saúde do trabalhador, a direção da empresa piora a situação para os setores operacionais.

A reestruturação que ela está fazendo, com a desculpa de que é preciso diminuir custos, deveria atingir o alto escalão, com seus altos salários e muitos cargos inúteis, criados para acomodar o cabide de emprego das indicações políticas e o aparelhamento das estruturas internas.

A Administração Central precisa passar por uma limpeza. O Postal Saúde tem de estar livre da aparelhagem e ser administrado pelos trabalhadores. O Postalis também, pois hoje ele está quebrado devido ao controle político, à gestão malfeita e à manipulação dos recursos para fins políticos e de enriquecimento de pessoas e esquemas corruptos.

Mas, em vez disso, a direção da ECT ataca os trabalhadores operacionais. Retirar funções de SO e Coordenadores não vai resolver nada. Na área operacional falta funcionários e condições de trabalho. É preciso concurso público e contratação, e não o fim de funções.
O que está sendo encaminhado é absurdo demais para uma direção que quer posar de séria!

Exigimos a adequação das instalações das unidades, com espaço e climatização adequados, a implantação imediata da entrega matutina e uma reestruturação que acabe com as más condições e o excesso de trabalho!