CDD Capela do Socorro é vítima da falta de segurança e vulnerabilidade das unidades da Zona Sul

Notícia publicada dia 14/03/2019

Tamanho da fonte:

Mais um reflexo do descaso e do abandono da GERAE da região Sul vem à tona com a deterioração do prédio que abriga o CDD, duas tentativas de invasão e trabalho no escuro!

As infiltrações no CDD formam verdadeiras cachoeiras dentro da unidade em dias de chuva forte. O ambiente fica insalubre para os trabalhadores e os prejuízos para a ECT com encomendas molhadas são praticamente inevitáveis. Além disso nenhuma luz de emergência está funcionando.

Já a falta de vigilância e sistema de segurança leva à ação de meliantes e risco aumentado para os trabalhadores. O CDD Capela sofreu uma tentativa de invasão na noite/madrugada de sexta para sábado (09/03), que ocasionou mais problemas nas instalações elétricas e na iluminação da unidade.

“A unidade já tem um histórico de insegurança, assaltos e descaso, há anos o sindicato cobra o desmembramento da unidade que já contou com quase 100 trabalhadores num espaço pequeno e sem condições adequadas, mas a empresa faz vista grossa e está incomodada em mostrarmos a realidade, caso não seja sanados os problemas, iremos chamar os trabalhadores para ir à luta”, declarou Douglas Melo, diretor do SINTECT SP.

Na madrugada de domingo a tentativa se repetiu. O pessoal estava trabalhando com pouca luz devido aos danos do dia anterior e pela ausência de luz de emergência, situação piorada pelo clima chuvoso, que também prejudicou a realização das atividades diárias.

Visita técnica já!

O SINTECT-SP solicitou visita técnica ao CDD, mas não obteve resposta. Isso é grave, pois a averiguação feita pela equipe de saúde e segurança do trabalho do Sindicato é o instrumento dos trabalhadores para apontar todos os problemas que ocorrem na unidade, bem como os perigos ocasionados pelos vazamentos na estrutura predial.

Vários ofícios já foram enviados pelo Sindicato, questionando o descaso e o abandono da GERAE na região, com solicitação de medidas que preservem a integridade física dos trabalhadores e das encomendas, tudo sem resposta e sem medidas efetivas.

A Diretoria do SINTECT-SP requer a regularização da situação apontada, e a instalação de um posto de vigilância permanente na unidade, justificada pelo histórico de assaltos e tentativas de invasão.

Caso não haja soluções, o Ministério Público do Trabalho e a Delegacia Regional do Trabalho serão notificados acerca da irregularidade, com solicitação de fiscalização, além de serem adotadas medidas judiciais pertinentes ao caso.

Compartilhe agora com seus amigos