GREVE DOS TRABALHADORES DOS CORREIOS CONTINUA FORTE E RECEBE APOIO INTERNACIONAL E DE PARLAMENTARES

Notícia publicada dia 21/08/2020

Tamanho da fonte:

Deputados federais e estaduais, além de representantes internacionais e das centrais sindicais declararam apoio à greve da categoria que reivindica respeito a decisão do TST tomada em 2019 e manutenção dos direitos!

A greve nacional dos trabalhadores dos Correios segue forte e repercute em todo país, a população, os parlamentares e representantes internacionais declararam apoio a greve justa da categoria que é considerada a maior e mais importante dos últimos anos.

De norte a sul do país, os trabalhadores estão firmes na resistência e luta pela manutenção dos direitos, benefícios e empregos. O motivo da indignação da categoria é pelo fato da direção da ECT e Governo Federal reduzirem/retirarem 70 das 79 cláusulas do atual Dissídio coletivo válido até 2021.

A FINDECT e os trabalhadores têm trabalhado nas redes sociais e junto à grande mídia para esclarecer à população sobre a verdade dessa greve causada pela própria empresa que não cumpriu a decisão do TST.

A direção dos Correios distorce as informações, classificando os direitos da categoria como “privilégios”, mas a resposta veio com uma forte mobilização e grande disposição de luta contra os ataques da atual direção da empresa e Governo Federal.

O governo federal e direção dos Correios estão dispostos a liquidar os Correios e beneficiar empresas como Uber, Amazon, etc, impondo a retirada de direitos históricos dos trabalhadores da categoria.

A FINDECT e Sindicatos filiados repudiam a direção dos Correios por provocar uma greve da categoria “essencial” num momento grave de pandemia e também por veicular mentiras sobre a real situação da empresa, como forma de justificar a retirada de direitos e o encaminhamento de liquidação dos Correios.

Correios devem cumprir a decisão do TST

No ano passado durante a negociação coletiva, o TST arbitrou e definiu por sentença normativa um Dissídio Coletivo com validade de dois anos, até agosto de 2021. A direção da empresa recorreu ao STF, que concedeu liminar para suspensão de duas cláusulas, sendo uma delas a duração.

A categoria não reivindica nenhum direito ou benefício novo, nem aumento salarial, mas apenas a manutenção do atual Acordo Coletivo, com respeito à decisão soberana do TST em 2019, sem a destruição de suas cláusulas.

Luta contra a privatização!

Por trás desta retirada de direito dos trabalhadores dos Correios está o plano da atual direção da empresa, fiel ao governo, de liquidar os Correios a qualquer custo. O enxugamento da folha salarial ao mínimo é uma das exigências do mercado. Vale lembrar que essa privatização foi um ponto forte da campanha eleitoral do atual Presidente da República, Jair Bolsonaro.

Importância dos Correios Estatal

As empresas e os pequenos empresários que usam o comércio eletrônico já perceberam que ficar sem os Correios e sua modalidade de postagem mais barata, inviabilizaria seus negócios, pois as transportadoras privadas cobram muito mais caro.

As próprias transportadoras privadas nacionais, pequenas, médias e grandes, também sabem que sem os Correios não terão como concorrer com gigantes internacionais. Elas captam as entregas e, para grande parte das localidades, usam os Correios para entregar.

Essas empresas e empresários nacionais se somam à população, que sente na pele a diminuição do atendimento dos Correios.

Essa direção e o governo que representa estão colocando em prática o plano das grandes empresas multinacionais, que querem tirar os Correios do caminho para dominar o setor de logística nacional e praticar seus altos preços livremente.

O que a população não sabe é que elas não atenderão a maioria dos municípios brasileiros e as periferias das grandes cidades, onde a entrega não dá lucro e o serviço é subsidiado.

A Greve continua! Juntos, somos mais fortes!

Para impedir a privatização dos Correios e o corte nos direitos da categoria, vem pra greve!

Amanhã, 22/08, os Sintect-SP realizará assembleia virtual a partir das 18h para avaliação do movimento e deliberação dos próximos encaminhamentos, participe!