A inspiradora da Lei 11.340/06 apresentou de maneira digna e emocionante sua batalha contra a violência até a aprovação da lei

Notícia publicada dia 28/03/2014

Tamanho da fonte:

O Mês Internacional da Mulher foi comemorado pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego com um seminário no dia 27 de março, sob o tema “Conquistas e novos desafios da mulher no Século XXI”.

O SINTECT-SP e a FINDECT apoiaram e prestigiaram a iniciativa com a participação dos seus dirigentes Maria Aparecida, Secretária da Mulher do SINTECT/SP, e Douglas Melo, Diretor da FINDECT.

Da esquerda para a direita: Maria da Penha, Cida (Secretária de Mulheres do SINTECT/SP), Douglas (Diretor da FINDECT) e Medeiros,  Superintendente Regional do Trabalho.

A estrela do Seminário foi a Bioquímica Maria da Penha. Com dignidade e emoção ela contou sua história de violência sofrida e coragem de lutar, que levou à prisão do agressor e à aprovação da lei que leva seu nome, bem como à fundação do Instituto Maria da Penha, que forma identificar e orientar vítimas de agressão.

Punição ao agressor

Maria da Penha (na foto ao lado, junto à Cida, Secretária de Mulheres do SINTECT/SP) lembrou que a lei não quer punir os homens. Ela pune os agressores de mulheres, mesmo em caso de relações homoafetivas. Para tanto, institui a criação de juizados, e uma série de determinações legais que, junto com as Delegacias da Mulher, constituem uma rede de proteção feminina contra a violência de gênero.
Para ela, o livro que escreveu contando sua história, “Sobrevivi, posso contar!”, é um marco da libertação das mulheres no Brasil. Foi a partir da sua publicação que a violência de gênero no país ganhou projeção internacional e seu caso foi parar em tribunal da Organização dos Estados Americanos –OEA. Só depois disso seu agressor, o ex-marido, foi preso. Ele já fora condenado duas vezes no Brasil e continuara em liberdade. E após o livro, o julgamento na OEA e a cobrança para o Brasil cumprir os tratados internacionais, a Lei 11340 tramitou no Congresso Nacional e foi aprovada em 2006.

Repente e palestras

O seminário contou ainda com palestras da Procuradora da Câmara Municipal Maria Nazaré Lins Barbosa, sobre a participação da mulher no terceiro setor, e da Dirigente Sindical Mercês Silveira Coutinho, sobre a importância da atuação da mulher no sindicalismo.
Em momento cultural, o cantor e repentista Tião Simpatia apresentou composições de sua autoria, como o repente que explica, de forma clara e instrutiva, o conteúdo da Lei Maria da Penha.

Homenagem do SINTECT/SP às mulheres ecetistas

No Mês das Mulheres, o SINTECT/SP faz uma singela homenagem à todas as mulheres ecetistas e distribui brindes às nossas companheiras nas unidades. Caso você, mulher ecetista ainda não tenha recebido o seu brinde,  entre em contato Diretor de sua região e peça já o seu!!

SINTECT/SP – GESTÃO RESPONSABILIDADE E + CONQUISTAS

 

Compartilhe agora com seus amigos