Greve Geral mostra a força dos trabalhadores e exige retirada das reformas – SINTECT-SP presente!

Notícia publicada dia 29/04/2017

Tamanho da fonte:

São Paulo amanheceu parada nesta sexta-feira, 28 de abril. O mesmo ocorreu em inúmeras capitais em todo o Brasil. Foi o dia de Greve Geral, convocado pelas Centrais Sindicais, que teve a adesão de grande número de categorias. As Centrais estimam a participação de 40 milhões de trabalhadores.

banner_sintect_sp_greve_geral_mostra_forca_trabalhadores_28_04_2017

O SINTECT-SP e os trabalhadores dos Correios tem sido parte fundamental do movimento nacional contra as reformas do governo Temer. Participaram da paralisação no dia 15 de março e somaram à mobilização no dia 31. Para a Greve Geral, os ecetistas saíram em greve um dia antes, dando a largada antecipada da luta e incentivando milhões de trabalhadores em todo o país. Estamos fazendo nossa parte de maneira exemplar, nos colocando na vanguarda da luta e da resistência dos trabalhadores brasileiros!

Pela retirada das reformas!

Presidentes da CTB, CUT, Força Sindical, UGT, Intersindical, Nova Central, CGTB e CSB, organizadores da greve geral deste histórico dia 28 de abril, ressaltaram a ampla adesão dos brasileiros à Greve Geral.

Ela atingiu todos os estados brasileiros e o Distrito Federal e pode ser um divisor de águas no acirrado embate de classes que vem ameaçando conquistas e garantias básicas da população trabalhadora, principalmente a mais vulnerável.

A importância histórica desta data ficou evidente, tanto pela contundente demonstração de força e amplitude do movimento sindical e popular, quanto pela reafirmação da unidade classista e sindical e pelo apoio da sociedade.

A força da greve mostrou que a classe trabalhadora brasileira tem potencial para paralisar o Brasil, caso o governo Temer não retire seus projetos de reforma que acabam com os direitos dos trabalhadores e abra o debate de uma forma verdadeira com a sociedade, sem imposições e chantagens, sem o discurso de terra arrasada e abrindo os números reais da Previdência e das contas governamentais.

É preciso que ele pare de mentir e assuma, por exemplo, que o déficit da previdência que ele alega é fabricado, porque resulta da manipulação das contas da Seguridade Social. A conta da previdência não pode ser feita somente com os valores das contribuições ao INSS versus o pagamento de benefícios. É preciso considerar os aportes vindo de outras fontes, como impostos, para configurar o orçamento da Seguridade Social, da qual a Previdência é parte.

A Seguridade Social consiste num conjunto de políticas sociais cujo fim é amparar e assistir o cidadão e sua família em situações como a velhice, a doença e o desemprego. Ela é composta por Previdência Social, Assistência Social e Saúde Pública. Além das contribuições ao INSS de empregados e empregadores, seu orçamento é composto pela COFINS, (Lei Complementar 70/91), que é justamente a “Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social”. Também conta com o PIS (Lei Complementar 7/70), além da contribuição social que incide sobre o lucro das empresas criada pela Lei 7.689/88.

Também precisa ficar claro para toda a sociedade que, há muito tempo, o governo desvia recursos da Seguridade Social para outros fins, como o pagamento de juros a banqueiros e acionistas nacionais e estrangeiros, através da DRU, Desvinculação de receitas da União, descumprindo inclusive a Constituição Federal.

Quanto à reforma trabalhista, as centrais definiram que atuarão agora para convencer os senadores a mudar o texto enviado pela Câmara, com extrema vigilância e trabalho durante a semana. Para os dirigentes, há bons sinais de que é possível mudar o texto, sem perder de vista o objetivo principal, que é sua retirada.

A proposta do governo, já aprovada pelos Deputados governistas, desfigura a CLT, acaba com a segurança dada ao trabalhador na desigual relação com o capital, e enfraquece a justiça do trabalho, além de dificultar o acesso a ela para o trabalhador.

A luta continua!

No próximo dia 8, as centrais se reúnem em São Paulo para um balanço nacional da Greve Geral no país e para definir novas ações e lutas. Que serão necessárias para ir adiante no embate com o governo, pois Temer e seus ministros continuam surdos e cegos aos interesses e reclames da população, fiéis aos compromissos assumidos com empresários e conglomerados empresariais nacionais e internacionais, de tirar dos trabalhadores para engordar para engordar seus lucros, aumentando assim a desigualdade e o abismo social no país.

Na noite de 28 de abril, procuraram diminuir o impacto da paralisação. O ministro da Justiça teve a cara de pau de aparecer na Globo (sempre ela) e dizer que a população manifestou seu apoio às reformas. Onde? Por nota oficial, Michel Temer afirmou acreditar na força da unidade do país. Que unidade? Os próximos capítulos dessa batalha precisam ser intensos e aguerridos, pois o governo e os deputados e senadores que o apoiam estão acelerando a tramitação das reformas, para fazê-las rápido, antes que a luta dos trabalhadores os impeçam de fazê-las, ou antes da maioria ser presa, acusada que é de corrupção, caixa 2 e enriquecimento ilícito.

O SINTECT-SP convoca todos os trabalhadores e trabalhadoras para estarem presentes à Paulista neste 1 de Maio à partir das 12h no MASP.
Compartilhe agora com seus amigos