SINTECT-SP presta total apoio ao carteiro sofreu racismo e agressão da GCM em horário de trabalho

Notícia publicada dia 14/05/2019

Tamanho da fonte:

O Sindicato apoiou o companheiro assim que soube da agressão absurda e do racismo praticado por agentes despreparados e violentos da Guarda Civil Metropolitana contra ele durante a prática de suas atividades profissionais, o assessorou desde que decidiu se defender e denunciar os crimes sofridos e abrirá canal para denúncias de crime de racismo!

O SINTECT-SP, através de toda sua diretoria e representado pelo secretário-geral Ricardo Negopeixe e do Dr. Ricardo Yamasaki do gabinete da Deputada Estadual Leci Brandão, presta assistência e acompanhamento no caso do trabalhador Marcos Antonio Ambrósio, do CEE Centro.

O companheiro foi vítima de racismo e agressão por agentes da GCM no dia 27 de março, quando foi abordado, constrangido a se identificar e abrir a mochila para revista. Reclamou e, mais que agredido, foi espancado. Também foi assediado, ameaçado e coagido a não relatar o ocorrido.

Isso ocorreu com um carteiro que tem 19 anos de Correios, os últimos 9 deles no CDD Centro. Ele passa todo dia pelo mesmo local, é conhecido e querido como só um carteiro pode ser. Mas tudo indica que ele é invisível para os agentes da GCM que atuam na região do entorno da estação Júlio Prestes, onde ele desembarca todo dia para ir ao CDD.

Conduzido ao distrito policial, depois de ter negado o pedido para lavrar um boletim de ocorrência e ver que foi acusado de agredir os agentes no termo circunstanciado feito pelo delegado, percebeu que tinha sido tratado como um pária desprovido de cidadania, vítima da mais infame violência, de racismo e desprezo social. Decidiu então se defender e denunciar o grave crime sofrido.

Ele pediu apoio ao companheiro Ceará, Diretor do SINTECT-SP. O Dirigente sindical imediatamente acionou a Diretoria e os órgãos competentes para prestar toda a assessoria necessária a Marco Antônio.

O caso já está na Defensoria Pública, no Conselho de Direitos Humanos e na Delegacia dos Crimes Raciais e de Intolerância e ganhou espaço na mídia, importante nesse caso para repercutir, fortalecer a posição do companheiro e o proteger de represálias.

SINTECT-SP no combate ao racismo!

O ocorrido com Marco Antônio é, por um lado, sinal dos tempos atuais, em que governantes falam em liberar policiais para matar e livrá-los de punição. Mas também mostra como nós, cidadãos comuns, estamos expostos ao arbítrio e à avacalhação de agentes violentos e sem ética, desprovidos de cidadania e direitos básicos.

Lógicos que não são todos os agentes de segurança que sofrem desse mal. Mas a situação inaceitável é frequente e bem conhecida da população paulistana, principalmente dos que tem a pele negra, dos pobres e moradores da periferia!

O Sindicato está ao lado de Marco Antônio e nele ficará o quanto for necessário, prestando toda assistência necessária ao companheiro!

E para combater ocorrências absurdas como essa, vai abrir um canal de denúncias de racismo, em parceria com o gabinete da Deputada Estadual Lecy Brandão, defensora das questões raciais na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Assista ao depoimento do companheiro Marcos Antonio após o ocorrido em Março:

Compartilhe agora com seus amigos